31 de julho de 2011

Vamos começar a ajudar uns aos outros em vez de destruir uns aos outros?

mesintoso:



Vamos começar a ajudar uns aos outros em vez de destruir uns aos outros?

Santos Anjos da Guarda

A palavra anjo significa, “enviado, mensageiro divino”, muitas vezes encontramos as manifestações dos anjos como missionários de Deus, e por isso, com clareza lemos no salmo 91: “Pois Ele encarregará seus anjos de guardar-te em todos os teus caminhos”.

Reze o Terço dos Santos Anjos

O que diz a Igreja:
Anjos da guarda: Desde o início até a morte, a vida humana é cercada por sua proteção e por sua intercessão. “Cada fiel é ladeado por um anjo como protetor e pastor para conduzi-lo à vida.” Ainda aqui na terra, a vida cristã participa na fé da sociedade bem-aventurada dos anjos e dos homens unidos em Deus. (CIC n 336).

29 de julho de 2011

Hipocrisia cristã!!!

Pode Se Achar !!

"Se alguém lhe fechar a porta, não gaste energia com o confronto, procure as janelas. Lembre-se da sabedoria da água: a água nunca discute com seus obstáculos, mas os contorna."

28 de julho de 2011

O “Ficar” é de Deus?

Por: Juberto Santos

Muito se tem discutido ainda sobre uma frase dita pelo Bispo auxiliar do Rio de Janeiro, Dom Dimas Lara Barbosa, dita em 2007, o qual condenou o hábito de "ficar", comum entre jovens e adolescentes. O bispo assinalou na ocasião: O senso do descartável do 'ficar', que era próprio das garotas de programa, é hoje vivenciado pelas adolescentes. Os meninos apostam entre eles para saber quem fica com mais garotas numa noite. No dia seguinte, eles não sabem nem o nome delas, o que significa que essa pessoa, com quem 'ficou', não vale absolutamente nada. O problema é grave e atinge adolescentes e pré-adolescentes”.(O Globo Online 08/05/2007) 

Alguns veículos de informação assinalaram que ficar é do “Capeta”.  Bem, queria ir pelo outro viés: “Ficar é de Deus?”


Bem, eu sou jovem, sou professor de História, tenho 29 anos, sou católico, sou catequista e líder pastoral, atuo com crianças, adolescentes e jovens no meu bairro desde 1998. 

E nunca tive medo de assumir minha fé, os valores morais e a doutrina religiosa católica. Fiquei muito triste de ver parte da juventude católica criticando essa atitude de Dom Dimas. Jovens católicos aceitando relacionamentos superficiais, sendo verdadeiros “copos descartáveis”. Os católicos precisam levar o Cristo incondicionalmente, não nos conformando com o mundo, mas o que vemos são pessoas buscando apenas uma “fé de supermercado”, ou seja, você apenas assimila das “prateleiras” aquilo que gosta e descarta o restante da doutrina. O que está acontecendo? O bispo nos lembra que não podemos brincar de ser Igreja! Não podemos buscar um Cristo “Light”, segundo um “quinto Evangelho” o qual aceita meus erros e pecados. Nós não podemos aceitar que os católicos tenham valores mundanos, modismos que vão de encontro com a Doutrina Cristã e acabam, assim, escrevendo “seu próprio Catecismo”.

E o que vem a ser a prostituição? É a comercialização da prática sexual ou, é o oferecimento de satisfação sexual em troca de vantagens monetárias, prazeres ou favores. A Bíblia é clara sobre esse assunto. Em várias passagens vemos a condenação dessa prática: “Fugi da prostituição. Todo o pecado que o homem comete é fora do corpo; mas o que se prostitui peca contra o seu próprio corpo.” (1 Cor 6, 18) Não se discute esse assunto, pois é um pecado muito grave, pois o nosso corpo é Templo do Espírito Santo (1Cor 3, 16-17).            Um jovem paulista, em uma comunidade do site de relacionamentos Orkut assinalou: “Eu prefiro Ficar... Ficar esperando no Senhor. Quem fica está se prostituindo, pois esta trocando de parceiros. Lembrando que adultério não é só quando se tem um ato sexual...” E vemos a comparação do bispo do ato do “ficar” com “as garotas de programa”. Bem, quem está “ficando”, acaba também oferecimento o seu próprio corpo em troca do seu prazer pessoal e também em busca de “status” perante os amigos e colegas. “Ficam” com um enorme número de pessoas, beijam, trocam carícias, algumas vezes termina com o ato sexual e, no dia seguinte, partem para outros relacionamentos. Foi por isso que o bispo usou o termo “descartável”. As garotas e garotos de programa ficam por dinheiro, contudo, os adolescentes e jovens seguem um caminho próximo, usando seus corpos para relacionamentos sem nenhum tipo de preocupação com o outro, quantas vezes for necessário para se satisfazerem. Isso também é pecado. 

Algumas pessoas dizem que o “ficar” é o antigo ato de paquerar, contudo, quando você paquera alguém você não visa simplesmente utilizar o corpo do outro para o benefício próprio, mas a busca de um relacionamento duradouro e sincero. O “ficar” prega atitudes anticristãs, tais como: a desonestidade, desconfiança, descompromisso, a superficialidade, desrespeito contra vida, não valoriza o verdadeiro amor, prega a infidelidade, a impureza, indecisão, crueldade, ato de pura atração física... O relacionamento entre duas pessoas cristãs dever ser sincero, fiel, puro, honesto, fraterno, compromissado e, principalmente, santo. O bispo apenas seguiu a Bíblia, a doutrina católica, assinalando que devemos ser cristãos autênticos, e se mostrou preocupado com a realidade dos jovens de hoje. Nós precisamos ser exemplo perante nossas famílias, nossos ministérios, nossos colegas da escola / faculdade, na nossa Igreja... Sempre em todo o lugar e a toda a hora!!! O que adianta ser uma pessoa na igreja, nos encontros e eventos e outra totalmente diferente com a minha namorada, meu esposo, meus filhos, com meus amigos... Mascarado não dá mais pra viver! A pergunta precisa ser feita. Então: O “ficar” é de Deus? Claro que não. 

A castidade precisa ser vista pelos cristãos não como uma opção, mas como meta de vida. Tanto no namoro, como no noivado e até dentro do casamento, um sendo fiel ao outro. O sexo só poder ser feito após o matrimônio, pois no namoro e noivado um ainda não pertence ao outro. Precisamos abolir a camisinha, pois não podemos banalizar o ato sexual que vem sendo visto nas últimas décadas. Precisamos nos manifestar contra o aborto, pois são seres humanos assim como nós. A juventude precisa rever seus valores, as canções  que estão escutando  (com letras pornográficas e violentas).  Isso não vem de uma “Igreja totalmente ultrapassada” (como foi dito por uma leitora na última edição), mas de uma igreja fiel à Bíblia e atualizada. Quem disse que seguir Jesus é fácil?? É necessário renunciar muitas coisas!! 

Não vamos à Igreja porque alguém nos obriga... Não rezamos porque temos medo de Deus... Ninguém nos proíbe ou nos condena. A nossa igreja apenas nos orienta, nos mostra o caminho, porque nossa fé é expressão de nossa liberdade! "Aquele que diz que está nele, também deve andar como ele andou." (1Jo 2, 6)
 

 

26 de julho de 2011

A banalização dos Sacramentos

Quero expor toda minha tristeza e agonia que sinto a cada dia, quando observo que os sacramentos de Jesus se perdem no coração dos homens e da própria Igreja. 
Vou dizer algumas coisas sérias e talvez impactantes para alguns, mas estarei dizendo o que sinto e percebo com o dia-dia dos nossos sacramentos. E tenho certeza que o que vejo não é exclusividade dos meus olhos.

Durante todos esses anos de catequista, observo cada dia mais a banalização descarada dos Sacramentos Cristãos.  É um absurdo a forma que as pessoas encaram os Sacramentos, sem nenhum respeito, sem nenhum apresso, sem nenhuma sacralidade da qual deveria existir. E não é por falta de conhecimento, porque muitos conhecem e entendem os Sacramentos, mas mesmo assim o desrespeitam. Vamos pontuar cada um deles:

O Sacramento do Batismo
 é tratado mais como uma superstição do que um sacramento. Eu já ouvi dizer que “batizar é bom porque ajuda cair o umbigo da criança”. Sem contar as famílias que sem nenhum conhecimento convida padrinhos que são de outra religião para batizar seus filhos. É inadmissível coisas desse gênero, devemos entender também que é culpa da própria Igreja, culpa do Povo de Deus, de nós catequistas. O que nós estamos fazendo que não conseguimos explicar verdadeiramente o valor de um sacramento essencial para vida cristã?  Por que os padres não tiram um pouquinho do tempo da homilia para expor essas questões? Por que concordamos com coisas dessa natureza? Isso é algo que devemos refletir e agir de forma firme.


“Jovens se vocês forem o que devem ser, colocarão fogo no mundo.”

      O mundo precisa ser incendiado pela força do jovem; o mundo precisa ser incendiado pela inteligência do jovem; o mundo precisa ser incendiado pelo sonho do jovem; o mundo precisa ser incendiado pela coragem do jovem; o mundo precisa ser incendiado pela alegria do jovem; o mundo precisa ser incendiado pela sabedoria do jovem; o mundo precisa, sobretudo, ser incendiado pela fé do jovem. A juventude pode sim causar uma grande explosão neste mundo fragilizado.

      Haja vista, que nossas igrejas estão cada vez mais sedentas por fiéis, e muita mais sedenta estão pela ausência de jovens que já não participam nas missas, nos grupos de jovens, nos ministérios e pastorais. Pois se formos fazer uma pesquisa de campo, verificaremos que o número de jovens que vivem fora da igreja é superior a 95% se compararmos ao número que participa. É uma matemática que nos entristece, mas não nos enfraquece. O Mundo, para a essa maioria exacerbada de jovens é aparentemente mais acessível, mais lindo, mais atraente.
      O que estamos fazendo, além de cobrar e esperar que os jovens um dia tomem a iniciativa de incendiar o mundo com toda a sua força? O que estamos fazendo para mostrar aos jovens que será muito importante que eles coloquem fogo no mundo? Pouco. Sim achamos simplesmente, que os jovens são individualistas, egoístas, rebeldes, esquisitos, violentos, medrosos, tímidos. Por isso, o culpamos por tão mesquinha participação nas comunidades e paróquias.



25 de julho de 2011

Haverá santos entre as criancas:Antonietta Meo

Em pleno centro de Roma, muito perto da Basílica de São João de Latrão, encontra-se a casa onde nasceu e viveu Antonietta Meo, mais conhecida como Nennolina.
Lá mora Margherita, sua irmã mais velha, que conta um pouco da sua história.

Nennolina foi reconhecida como venerável pelo Papa Bento XVI em dezembro de 2007 e foi apresentada como modelo de inspiração para as crianças (cf. Zenit, 20 de dezembro de 2007). Poderá ser a beata não mártir mais jovem da história da Igreja. Nasceu em 1930 e morreu em 1937, aos seis anos, logo que foi detectado um osteossarcoma (câncer ósseo) no joelho; apesar de ter de amputar a perna, houve metástase em todo o corpo.

24 de julho de 2011

O bom nome permanece

Deus tem uma intenção original para a nossa vida, Ele quer que voltemos sempre ao primeiro amor.
      
                     

              No propósito de hoje, o missionário Alexandre de Oliveira nos fala sobre “valores humanos.”O bom nome permanece para sempre já diz a Sagrada Escritura em Eclesiástico. Para se ter um bom nome temos que viver bem os valores humanos, morais e espirituais da consciência humana.
              Ele inicia sua explicação nos alertando: "Os homens estão perdendo o sentido do valor humano.O próprio Deus deu mandamentos para os judeus para que aquele povo aprendesse a ser gente. Eu e você precisamos olhar para dentro de nós e tocar no que faz sermos humanos."
"O valor vamos adquirindo de uma pessoa que o vive e o possui", continua o missionário, "tantos filhos que trazem em si valores aprendidos com os pais, ensinamentos esses que caminham conosco até o fim de nossa vida".
              Os valores humanos são: Honestidade, verdade, justiça, ética, disciplina, integridade, paz (autoestima, autocontrole, autoconfiança, autoaceitação e desapego) e amor.
Para ilustrar melhor Alexandre nos conta a seguinte história:




23 de julho de 2011

Cristão deve proteger a graça recebida no Batismo, alerta Bento XVI


"Devemos estar preparados para proteger a graça recebida no dia do Batismo, continuando a alimentar a fé no Senhor, que impede o mal de criar raízes", salientou Bento XVI antes de recitar a tradicional oração mariana do Angelus deste domingo, 17.

O Papa explicou que as parábolas evangélicas são breves narrações que Jesus utiliza para anunciar os mistérios do Reino dos céus. E é exatamente o Reino o tema do 
Evangelho deste Domingo (Mt 13, 24-43).

"Reino dos Céus significa, de fato, senhorio de Deus, e isso quer dizer que a sua vontade deve ser assumida como o critério-guia da nossa existência", ressaltou o Pontífice
.
Jesus compara o Reino dos Céus a um campo de trigo, "para nos fazer compreender que dentro de nós está semeado algo de pequeno e escondido, que, entretanto, possui uma insuprimível força de vida. Apesar de todos os obstáculos, a semente crescerá e o fruto amadurecerá. Esse fruto será bom apenas se o terreno da vida tiver sido cultivado de acordo com a vontade divina", indicou o Pontífice.

A primeira Leitura e o Salmo da Liturgia deste domingo também foram recordados pelo Santo Padre. Esses textos indicam a onipresença, misericórdia, justiça e 
bondade de Deus.

"Se, portanto, somos filhos de um Pai tão grande e bom, busquemos nos assemelhar a Ele! Era essa o objetivo que Jesus buscava com a sua pregação 
[...]. Dirijamo-nos com confiança a Maria, que ontem invocamos com o título de Virgem Santíssima do Monte Carmelo, para que nos ajude a seguir fielmente a Jesus, e assim viver como verdadeiros filhos de Deus", concluiu.

O encontro

O Pontífice está em Castel Gandolfo, onde permanece até setembro, para seu período de férias e também de verão europeu. Após a oração do Angelus, o Papa fez um apelo em prol da situação de calamidade vivida na Somália.

Aos peregrinos franceses, Bento XVI afirmou que as férias são "propícias para um enriquecimento cultural e espiritual", recordando os inúmeros locais e monumentos que podem ser visitados. Aos de língua inglesa, ressaltou: "Trabalhemos por uma abundante safra de santidade na Igreja e peçamos para nos encontrarmos entre os que pertencem a Cristo no dia do Juízo".

"Nestes dias, que, para muitos, são de descanso, convido a todos a abrir o coração à Divina Palavra, para aprender como se comporta Aquele que tudo pode e refletir em nossas vidas a grandiosidade de seu amor e misericórdia. Que a isso nos ajude a Santíssima Virgem Maria", disse aos hispânicos presentes em Castel Gandolfo.

Acerca da memória litúrgica de Nossa Senhora do Carmo, celebrada ontem, lembrou que o escapulário é um particular sinal da união com Jesus e Maria. "Para aqueles que o carregam consigo, é sinal do filial abandono á proteção da Virgem Imaculada. Na nossa batalha contra o mal, Maria, nossa mãe, nos envolve com o seu manto. Confio-vos à Sua proteção e vos abençoo de coração.
Criai em mim, ó meu Deus, um coração puro” (Sal 50,12)

22 de julho de 2011

Os encontros de uma noite


Dificilmente o príncipe encantado vai cair do céu


Contudo, a maneira de conquistar alguém com intenções de viver um relacionamento mais sério, certamente, não será por meio das mesmas abordagens vividas nos finais semana anteriores. Tampouco será a extroversão abusada ou a concordância para um programinha que vai garantir a conquista de alguém.

21 de julho de 2011

Toda autoridade vem de Deus

Toda autoridade é constituida por Deus; Ele tem um plano em tudo. Mesmo a utoridade de pilatos sobre Jesus vinha do Pai(Jo 19,10-11). Portanto, aquele que quer servir ao Senhor, querendo ou não tem que aceitar ser submisso a alguém costituído pelo próprio Deus. A autoridade vinda de Deus, emsmoque doa, ou mesmo que não seja vista como “correta”, deve ser obedecida, pois é algo a tratar com o Senhor, não com as pessoas.
A submissão é um meio seguro de fazer a vontade de Deus, pois Ele se manifesta pelas autoridades constituídas sobre nós e sua vontade por meio das ordens que recebemos. A obediência é, na verdade, um fardo leve, um instrumento eficaz de libertação.
Jesus, pela obediência, libertou-nos da desobediência; tornando-nos capaz de realizar a vontade de Deus. A obediência não se faz senão na renúncia de si próprio, na humilhação e no sofrimento. Não existe outro caminho de obediência a não ser a cruz.
Submissão também é pobreza, mas para o homem ser submisso a Deus, ele deve, em primeiro lugar, treinar o ser submisso aos que estão ao seu lado. Estar submisso é estar como escravo, sempre disponível, fazendo a vontade do Senhor.
O caminho da submissão é o caminho da cruz, o mesmo que Jesus trilhou!Para tudo o que ia fazer, conversava com o Pai, Ele veio ao mundo para cumprir a vontade do Pai. Percorreu todo o caminho até a cruz. Ser submisso é estar em humilhação constante.
Jesus aprendeu de Maria esta obediência, porque Ele é da “Casa de Maria”. Nós fazemos parte da “Casa de Maria”. Por isso precisamos aprender a obedecer do jeito de Maria, do jeito de Jesus.
Isto é princípio de vida, obedecer do jeito de Maria e obedecer do jeito de Jesus.
Monsenhor Jonas Abib

Qual a melhor coisa a fazer?

Há alguns dias, acompanhei um amigo ao médico, fui com ele à consulta, participei o máximo que pude desse momento, fiz perguntas, descobri coisas novas sobre ele. Depois o ajudei a marcar os exames, já telefonei para saber como ele está com a nova medicação e vou, da mesma forma, acompanhá-lo nos exames e no retorno ao médico.

Quem saiu ganhando? Eu, é claro! Fiz a melhor coisa... Simplesmente o que estava bem na minha frente!

Quem tiver necessidade de descobrir o sentido de estar vivo, faça o mesmo! É infalível!



Seu irmão,
Ricardo Sá

HUMOR

Catedral avisa:

Monsenhor Uilton comunica que a Paróquia Nossa Senhora das Vitórias estará aberta durante todo o dia. Não fechará no horário de almoço.

20 de julho de 2011

FELIZ DIA DO AMIGO!!!

 Sabe o que eu mais queria agora?

 Ter palavras suficientes para agradecer pelos momentos em que eu achei que estava só, mas ao olhar pra trás vi você.

 Seus olhos marejados. Sua mão forte para me apoiar.

 Às vezes até mesmo sem saber o porquê da minha tristeza. Firme. Ao meu lado.

 Sabe o que eu mais queria agora?

Poder recompensá-lo pelos conselhos e os caminhos que me mostrou. Alguns até tão pertos de mim, mas que, cego, não conseguia ver.


  Agradecer pelas broncas e pelas puxadas de orelha que, só alguém tão especial como você, e, que me conhece assim tão bem, poderia dar.

Sabe o que eu mais queria agora?

Poder fazer com que todas as pessoas do mundo soubessem que eu tenho o melhor amigo do mundo ao meu lado.

Que eu tenho com quem contar.

Que eu tenho com quem compartilhar as alegrias e as vitórias, mas que, principalmente, tenho alguém como você para me dar forças nas horas mais difíceis.

Sabe o que eu mais queria agora?

 
 Abraçá-lo forte e apenas dizer de coração: "obrigado"



 Um texto de Marcos Andrey

19 de julho de 2011

Marta e Maria

É possível superar



Muitos dos grandes vitoriosos da história alcançaram seus êxitos a partir de momentos de grande tribulação. Estes souberam fazer do sofrimento um “trampolim” que os possibilitou avançar e crescer.

O próprio Jesus nos ensina a crescer com a dor. A Sua grande vitória, a Ressurreição, teve por alicerce a cruz e a desventura evidenciando assim que a cruz não é somente um lugar de morte, mas também de vida e superação.

Cruz é lugar de superação e vida nova. E no madeiro não estamos sozinhos, pois o Crucificado por excelência se aventura conosco, nos revelando – no auge da dor e penumbra – que existe sempre uma maneira concreta para crescer e superar.

É possível superar, sempre o é!

18 de julho de 2011

Fotos

MISSÕES: Hudson, o menino doente (A VIDA DE HUDSON TAYLOR)

O pequeno Hudson tinha um lindo lar. Seu pai e sua mãe eram cristãos fies. Hudson tinha muita abundância de coisas em casa. Ele tinha muita roupa, comida, brinquedos e livros e crescia em um ambiente de cuidados e amor. Mas lhe faltava uma coisa muito importante.

Você sabe que é?

Ele era frágil, não tinha saúde. Era um menino fraco e doentinho. Frequentemente faltava na escola por causa das suas continuas enfermidades.

Aos doze anos terminou os estudos primários. Aos quinze anos, começou a trabalhar como empregado num banco. Mas teve que deixar seu confortável e lindo emprego por causa de uma doença nas vistas, que o deixava com os olhos continuamente irritados e inflamados.

Nesse período Hudson recebeu Jesus em seu coração. Ainda que ele O conhecesse desde criança, nunca tinha tomado essa grande decisão. Hudson começou a amar a Jesus com toda a sua alma e ansiava servi-Lo. Mas, como poderia servir a Jesus um rapaz tão fraco e doentio? 

No entanto, um dia, seguindo a voz do Espírito Santo no seu coração, Hudson embarcou num barco de carga.. Ele foi para China! Sim ! Ele sabia que Deus o chamava para esse distante país para ser missionário.

Mas que loucura! Todos seguravam a cabeça com as mãos em desaprovação e diziam:

-Ele vai acabar morrendo! Não vai durar muito tempo!

Antes de sair, Hudson tinha estudado medicina. E por muitos, muitos anos, Hudson levou a mensagem de salvação a milhões de chineses, junto a sua fiel esposa. Ele fundou a famosa Missão do Interior da China.

Assim, James Hudson Taylor, a criança que superou as dores e enfermidades para levar a luz a uma nação pagã, chegou a ser um dos mais famosos missionários da história.

Não importa a nossa idade nem a condição física e financeira, todos podemos falar do amor de Jesus! Comece na sua escola, bairro e família!

“Vão pelo mundo inteiro e anunciem o evangelho a todas as pessoas” Marcos 16:15

Fui surpreendido por um "eu te amo!"

O amor afastou de mim a tristeza.


Hoje pela manhã, obtive respostas sobre 
um questionamento que me acompanhava há anos: 
Por que temos tanta dificuldade em dizer "eu te amo"?

Deus é amor, e quando amamos, refletimos Deus,
 e vivemos o que Ele sonhou para nós 
aqui na terra. No entanto, somos influenciados a não amar e a não refletir Deus, e isso,
 conseqüentemente, acarreta a grande dificuldade que temos em demonstrar o amor,
 por palavras e atos, mas,  especialmente por palavras.
Desde a minha infância, as poucas vezes que usei a expressão "eu amo você" foi para 
uma sedução barata com as meninas com quem eu "ficava", ou para querer algo em
troca, ou dar uma de bonzinho.
Depois que comecei a participar de encontros carismáticos, onde somos motivados a
 chegar em casa  e dizer para os pais que os amamos, descobri o quanto isso era uma
 violência para mim. Lá no  encontro eu me decidia: Vou chegar em casa e dizer-lhes:
 "Pai, mãe, eu amo vocês!", mas, na  hora eu "amarelava".
Expressar o amor em palavras, o amor sincero, gratuito, desinteressado, o verdadeiro amor
 é um desafio, um desafio que nos impulsiona a ultrapassar nossos limites e dificuldades.
Quando morei a 800 quilômetros da casa dos meus pais, em Dourados/MS, para estudar, 
passei a valorizá-los muito mais, aquela história: só se valoriza, quando se perde. E a
necessidade de amar e demonstrar o amor que tinha por eles só aumentava. Então,
me decidi  que iria dizer aos meus pais o quanto os amava.
O primeiro artifício de que utilizei para fazê-lo  foi por meio de uma carta.
Escrevi naquela noite uma carta dizendo aos meus pais que eu os  reconhecia
 como meus pais, demonstrando em palavras meu amor por eles. Foi libertador.
O segundo passo foi declarar-lhes o meu 
amor por telefone. Depois, o fiz pessoalmente, mas
 sem olhar em seus olhos, e hoje, depois de quase 10 anos 
de luta, expresso-lhes meu amor
 olhando no fundo dos olhos deles.
...Atualmente...
Passando ao lado de um companheiro de trabalho (Rafael), ouvi:
- Fernando, quero lhe dizer uma coisa: "Eu te amo!"
Na hora, o abracei e fiquei desconcertado. Experimentei um amor sincero, que afastou de
 mim a tristeza que me rondava. Em lágrimas, fui ao banheiro, escovei os dentes (era após 
o almoço) e imediatamente me dirigi à mesa de um irmão de comunidade e amigo (meu xará) 
e fiz o mesmo. A reação dele ao ouvir-me não foi diferente da minha. Esse ato nos levou a
 uma partilha profunda, mesmo que rápida, e nos aproximou ainda mais como amigos.
O amor transmite Deus. Agora é sua vez. Não pense duas vezes para demonstrar seu amor
 por pessoas que precisam saber o quanto você as ama. Faça uso dos meios que tiver acesso
 e faça a experiência. É libertador!
Deus abençoe sua iniciativa de amar.
Seu irmão,

Fernando Fantini
terrasanta@cancaonova.com

17 de julho de 2011

A história das dez maçãs

basket_of_apples_md_wht.gif (7303 bytes)          Era uma Vez um homem que não tinha absolutamente nada. Então Deus lhe deu dez maçãs. Três maçãs para se alimentar. Três maçãs para ele vender e comprar uma casa. Três maçãs para ele vender e comprar roupa. Deu-lhe também uma maçã, a fim de que ele tivesse alguma coisa para devolver a Deus, em sinal de gratidão pelas outras nove. 
          O homem comeu as três maças. Vendeu três e comprou uma casa para abrigar-se das interpéries. Vendeu três maças e comprou roupas. Então ele olhou para a décima maçã... E viu que ela parecia maior e mais deliciosa do que as outras. Ele sabia que Deus lhe tinha dado a décima maçã para que ele pudesse devolver-lha em sinal de gratidão pelas outras nove. 


Mas a décima maçã parecia maior e mais gostosa do que as outras.
ghj.gif (1557 bytes)
       


  Então ele pensou: Deus tem todas as maçãs do mundo... Então o homem comeu a décima maçã... E devolveu para Deus... 


O TALO
          Deus deu a você maçãs suficientes para suprir suas necessidades - mais uma, a qual você deveria devolver-lhe em sinal de gratidão. A escolha é sua. Você irá devolver a Deus a maçã maior e mais saborosa - ou somente o TALO?

Alegria do catequista está em anunciar Jesus Cristo, afirma bispo

Kelen Galvan

Da Redação


"A melhor coisa que aconteceu em nossa vida foi o conhecimento de Jesus Cristo. (...) E é na Catequese que se aprende a conhecê-lo e a viver de acordo com seu Evangelho", afirmou o Bispo de Lorena (SP), Dom Benedito Beni dos Santos.

O bispo complementou que a grande alegria de ser catequista está em "levar o anúncio de Jesus Cristo e da salvação" a todas as pessoas. "Isso enche nossos corações de alegria, por isso quando Jesus enviou 72 discípulos em missão, eles voltaram cheios de alegria. Então todo evangelizador sente essa alegria, de anunciar Jesus Cristo e a boa nova da Salvação a todas as pessoas".

Destacando a missão fundamental do catequista, Dom Beni afirmou que depois da família, eles são os primeiros evangelizadores da Igreja. "São os catequistas que realizam a evangelização fundamental - que é o anuncio do kerigma, a morte e ressurreição pela nossa salvação e depois uma visão bem organizada de toda historia da salvação, de toda revelação de Deus".

E concluiu que "sem essa Catequese fundamental, a pessoa não pode levar uma vida cristã. Podemos dizer que, se considermos a igreja como uma casa, são os catequistas que colocam alicerce nesta casa".

Dom Beni presidiu a Missa de abertura do encontro diocesano que reuniu mais de 400 catequistas na Canção Nova, em Cachoeira Paulista (SP), neste domingo.